Sandra Bugmann ministra oficina de pintura Bauernmalerei em Blumenau

Pintura camponesa alemã. No dia 25 de junho, a artista Sandra Bugmann ministra oficina gratuita de Bauernmalerei, técnica de pintura alemã, oriunda dos Alpes europeus. A oficina ocorre das 13h30 às 16h30, na Praça Hilda Bublitz, na Vila Itoupava, em Blumenau, será presencial e com apenas 10 vagas, devido às restrições por conta da pandemia de Covid-19. Pessoas interessadas podem se inscrever gratuitamente pelo WhatsApp (47) 99112-4295. No mesmo dia, das 18h às 20h, haverá live de inauguração e entrega da pintura produzida pela artista Sandra Bugmann no muro da Praça Hilda Bublitz; demonstração da pintura, além de exposição dos trabalhos produzidos pelos alunos da oficina; pelo canal www.youtube.com/sandrabugmann

“Desde pequena, muito pequena mesmo, tenho fascinação pelo desenho, pintura, todas as formas de arte e artesanato. Há 26 anos, minha mãe e grande incentivadora, viu uma matéria no Suplemento Feminino do Estadão sobre o Bauernmalerei com os trabalhos da artista Maria Carmen Osterne, de São Paulo. Ficamos encantadas na época. Já adulta e casada, fomos fazer um curso, em São Paulo, com essa professora. O Maurilio (meu esposo) e eu. O curso durava uns dois meses, tanto insistimos que ela concordou em dar quatro aulas em dois dias. Ficamos pintando fundos de peças e secando com o secador no quarto do hotel para pintar o maior número de peças possível. Na volta, logo aconteceu a primeira Mostra Bordeaux. Conseguimos um mini espaço e usamos peças com Bauernmalerei. Muitas pessoas começaram a pedir curso e comecei a dar aulas. Não tinha muito material sobre o Bauernmalerei, mas fui pesquisando e conseguindo buscar livros da Alemanha e dos Estados Unidos, estudando, treinando, pintando e assim por diante. Tenho profunda admiração pelas pinturas folclóricas e pelo Bauernmalerei, em especial, e pensava que essa técnica deveria ser mais divulgada e valorizada. Tem uma aldeia na Polônia, Zalipie, em que as pessoas pintam flores, em um outro tipo de pintura folclórica, nas paredes das casas. Surge então a ideia de transpor o Bauernmalerei do ambiente interno, das peças e móveis para a superfície mais ampla do muro ou da parede, pintando flores e elementos bem grandes. Uma forma de divulgar, difundir e permitir que mais pessoas conheçam e se encantem com as flores características da técnica”, afirma Sandra.

“Pintar Bauernmalerei faz bem para a alma. Nos cursos eu presencio as pessoas começarem a relaxar, conversas fluírem, a alegria de superação, pois é preciso aprender a pincelada em forma de vírgula, que todos aprendem, mas exige um certo treino inicial, recordações afluem.  E no fim surge a grata satisfação de uma pintura feita por si mesmo (a) ”, celebra a artista.

Por ser um evento ao ar livre, em caso de problemas relacionados às condições climáticas as ações serão remarcadas para a semana seguinte. Os materiais para a oficina serão disponibilizados pela artista para uso no dia da ação. O projeto Bauernmalerei: Resgate de uma Tradição, de Sandra R. C. Bugmann, é aprovado pelo 2º Prêmio Herbert Holetz do Fundo Municipal de Apoio à Cultura de Blumenau (004/2019).

BAUERNMALEREI
A palavra, em tradução livre do alemão, significa Pintura Camponesa. Aqui no Brasil, esta pintura vem sendo denominada Pintura Camponesa Alemã. Segundo a artista Sandra Bugmann, é uma arte folclórica muito antiga. “Seu surgimento data de meados do século XVII e foi influenciado pela grande fascinação dos europeus por peças e móveis laqueados e decorados trazidos do Oriente. Como a importação dessas peças era algo trabalhoso, demorado e muito caro, artesãos e marceneiros daquela época procuravam de toda maneira desenvolver uma técnica adequada aos materiais de que dispunham para enfeitar seu mobiliário. Logo, foram adaptando e desenvolvendo um estilo próprio. Esta atividade não se restringiu às classes mais altas. A ideia foi se disseminando e surgiu na região dos Alpes, onde hoje situa-se o Sul da Alemanha, uma técnica de pintura que utilizava motivos ingênuos e simples para valorizar peças feitas de madeiras de qualidade inferior. A princípio eram feitas imitações rústicas de madeiras nobres ou pedras como granito ou mármore. Posteriormente começaram a ser utilizados motivos geométricos aos poucos foi se desenvolvendo outros temas como flores, paisagens e até mais complexos como retratos e motivos religiosos. A simplicidade da técnica fez com que este tipo de pintura se tornasse popular entre os camponeses e suas famílias, constituindo-se um legado que era passado de geração em geração”, explica.

Sandra comenta que muitos fatores contribuíram para o seu surgimento e todos estão relacionados com a expressão de amor pela vida, pela arte e pela alegria. “Em sua essência, esta arte simboliza a força da humanidade na superação das adversidades, o espírito de renovação. A simplicidade de seus traços, a ingenuidade de seus motivos e símbolos, fazem desta pintura uma excelente atividade de lazer, que proporciona tranquilidade. O fato de que os motivos são fáceis de reproduzir e não exigem concentração e atenção exclusiva, permite que as pessoas possam pintar em grupos, conversando, contando histórias e trocando conselhos como nos tempos antigos. O resgate desta técnica está relacionado com o resgate de alguns valores que deixamos para trás e muitas vezes, sentimos saudades, uma sensação estranha de que, em meio ao tumulto do progresso, estamos perdendo alguma coisa”, acrescenta.

“Durante minha prática de professora de pintura Bauernmalerei e ministrante de oficinas de artes, ofícios e criatividade percebi o efeito libertador e de empoderamento, a promoção de insights e o sentido de conexão consigo mesmo e com referências culturais promovido pelo exercício de um fazer ou expressão vinculados a um saber ancestral ou tradicional. Tal percepção despertou o interesse em compreender e conhecer mais sobre esse processo e esses saberes e fazeres. Dentre os muitos tipos de pinturas folclóricas passei a pesquisar com ênfase a técnica Bauernmalerei por ser vinculada à tradição germânica, uma forte referência cultural de Blumenau e região tendo em vista a colonização alemã e ao grande número de descendentes alemães. Esse estudo aumentou meu encantamento pela técnica e trouxe a percepção de que existe pouca literatura e pesquisa mais aprofundada, alertando para a necessidade de promover o resgate dessa pintura tão significativa e detentora de um legado cultural ancestral” complementa.

A ARTISTA
Sandra R. C. Bugmann é graduada em Licenciatura em Artes Visuais, pela Universidade Regional de Blumenau (FURB), com Mestrado em Educação pela FURB e especialização em Direção de Criação, pelo Instituto Orbitato, de Pomerode (SC), e Escola da Cidade – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, em São Paulo (SP). Além de pintora, atua como professora de pintura da técnica Bauernmalerei há mais de 20 anos, também coordena oficinas de artes para crianças, adultos e longevos, além de lecionar História da Arte, Elementos da Linguagem Visual, Semiótica e Laboratório de Criatividade em cursos de graduação e pós-graduação nas áreas de Artes e Design de Moda nas seguintes instituições: FURB, SENAI e IPGEX, em Blumenau e Região. É Diretora de Criação do Bugstudium – Projetos Criativos, coordenadora do Bugstudium – Oficina de Criação. Acompanhe pelo www.youtube.com/sandrabugmann

SERVIÇO
Oficina de Pintura Bauernmalerei, com Sandra Bugmann
25 de junho
Das 13h30 às 16h30
Local: Praça Hilda Bublitz (Rua Erwin Manske, 2080, Vila Itoupava, Blumenau/SC)
Inscrições gratuitas pelo WhatsApp (47) 99112-4295 (Até 10 pessoas)
Materiais para a oficina serão disponibilizados pela artista para uso no dia da ação.

Das 18h às 20h
Live: Inauguração e entrega da pintura produzida pela artista Sandra Bugmann no muro da Praça Hilda Bublitz; demonstração da pintura, além de exposição dos trabalhos produzidos pelos alunos da oficina
Pelo canal www.youtube.com/sandrabugmann
OBS: Por ser evento ao ar livre, em caso de problemas relacionados às condições climáticas as ações serão remarcadas para a semana seguinte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *